Atributos químico-bromatológicos, cinética de degradação e produção de gases de espécies arbóreas da Caatinga com potencial forrageiro

Atributos químico-bromatológicos, cinética de degradação e produção de gases de espécies arbóreas da Caatinga com potencial forrageiro

Discente: 
Leandro Pereira de Oliveira
Orientador: 
André Luiz Rodrigues Magalhães

A avaliação das espécies forrageiras produzidas na caatinga com potencial para a alimentação de ruminantes torna-se essencial para o aumento da eficiência pecuária da região. Desta forma, objetivou-se avaliar as características químico-bromatológicas, fracionamento de carboidratos e compostos nitrogenados, degradabilidade e digestibilidade in vitro da matéria seca, e produção de gases in vitro das espécies Cnidoscolus phyllacanthus Muell. Arg. Pax. Et K. Hoffman, Mimosa tenuiflora (Willd.) Poiret, Myracrodruon urundeuva Fr. All., Poincianella bracteosa (Tul) L. P. Queiroz, Spondias tuberosa Arr. Cam. e Ziziphus joazeiro Mart., todas na forma in natura, coletadas em quadruplicatas. O maior teor de proteína bruta encontrado foi para a Mimosa tenuiflora. A Spondias tuberosa apresentou o maior teor de carboidratos totais, seguida da Myracrodruon urundeuva. O maior teor para a fração A+B1, correspondente aos carboidratos de alta taxa de degradação, foram encontrados para Myracrodruon urundeuva. Para o fracionamento dos compostos nitrogenados, foram encontrados maiores teores da fração A na Cnidoscolus phyllacanthus. Dentre as espécies avaliadas, a Cnidoscolus phyllacanthus se destacou com maior degradação potencial, seguida da Poincianella bracteosa. Já para a digestibilidade verdadeira, a maior porcentagem foi da Cnidoscolus phyllacanthus e a menor para Mimosa tenuiflora. O maior volume de gases produzido foi da Cnidoscolus phyllacanthus e Poincianella bracteosa. O volume de gases total observado foi semelhante ao encontrado pelo modelo bicompartimental, comprovando o ajuste do modelo. Todas as espécies avaliadas apresentam potencial forrageiro, com destaque para Poincianella bracteosa e Cnidoscolus phyllacanthus e Myracrodruon urundeuva, que apresentam maior produção de volumes de gases, ou seja, resultam em maior disponibilidade de nutrientes para os microrganismos ruminais. Os resultados encontrados nesta pesquisa confirmam o potencial de utilização das espécies avaliadas na alimentação de ruminantes, possibilitando a manutenção dos animais em regime de pastejo na Caatinga, e consequentemente, contribuindo para a conservação da vegetação do ambiente em geral. Contudo, para que se possa alcançar maior eficiência produtiva, é necessário o conhecimento da composição químico-bromatológica para um melhor uso dos recursos forrageiros disponíveis no fornecimento das dietas. O aproveitamento e o incentivo às pesquisas com espécies da Caatinga podem assegurar o equilíbrio do bioma local. Deste modo, é sugerida a realização de mais estudos demostrando a importância dessas  forrageiras nativas na alimentação animal.