Avaliação de Protocolos Para Estimativa do Consumo Voluntário por Caprinos em Pasto Nativo

Avaliação de Protocolos Para Estimativa do Consumo Voluntário por Caprinos em Pasto Nativo

Discente: 
Helton Grégory Santos Arcanjo
Orientador: 
Dulciene Karla de Andrade Silva

Com o conhecimento da oscilação da qualidade e quantidade do pasto nativo em função da época do ano, aliado ao desconhecimento e impossibilidade de determinar o consumo de matéria seca de caprinos, buscou-se com esse experimento estimar o consumo a pasto por esses animais. O experimento foi conduzido com o objetivo de avaliar os indicadores externos óxido de cromo (Cr2O3), dióxido de titânio (TiO2) e Lignina insolúvel purificada e enriquecida (LIPE®), como os internos matéria seca indigestível (MSi), fibra em detergente neutro indigestível (FDNi) e fibra em detergente ácido indigestível (FDAi) para estimativa da digestibilidade aparente da matéria seca, produção de matéria seca fecal e estimativa do consumo de matéria seca por caprinos mantidos em pasto nativo no semiárido. Foram utilizados 20 animais, machos, sem padrão racial definido, castrados, com peso corporal médio de 26±8,4 kg, sendo cinco animais fistulados no rúmen e 15 não fistulados. O experimento teve duração de 30 dias, 15 destinados à adaptação e 15 ao fornecimento dos indicadores e das coletas (fezes e extrusa). O delineamento utilizado foi o inteiramente casualizado (DIC), e os resultados submetidos ao teste de Tukey a 5% para comparação de médias. Os indicadores internos foram submetidos à análise descritiva com a digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS) por meio da análise de regressão. De posse dos resultados, as estimativas do consumo de matéria seca considerando a DIVMS, por meio dos indicadores internos foram mais acuradas e precisas quando se fez uso da MSi e FDNi, não sendo observado o mesmo para a FDAi e pela equação. Ainda os indicadores internos, a DIVMS e as equações foram utilizados para a estimativa do consumo de matéria seca, porém diferenças significativas (P<0,05) foram observadas para as equações Já as estimativas da produção fecal por meio dos indicadores externos diferiram significativamente (P>0,05) do resultado da coleta total. Os indicadores TiO2, Cr2O3 e LIPE® apresentaram estimativa diferente estatisticamente (P>0,05) da coleta total, assim como o TiO2 dos outros indicadores. O LIPE® e o Cr2O3 subestimaram a produção fecal. Em relação aos horários e métodos de coleta, não foram observadas diferenças estatísticas (P>0,05), para nenhum indicador e/ou método utilizado. Portanto, mesmo em condições de pastejo nativo os indicadores internos mostraram ser uma ferramenta relevante na obtenção de dados sobre digestibilidade e consumo de matéria seca. Podendo assim, estabelecer planos de suplementação para caprinos quando em pastejo em pasto nativo.