Polinização na caramboleira (Averrhoa carambola L.) por Apis mellifera L.: Requerimentos da cultura e eficiência do polinizador

Polinização na caramboleira (Averrhoa carambola L.) por Apis mellifera L.: Requerimentos da cultura e eficiência do polinizador

Discente: 
Claudio Gomes da Silva Junior
Orientador: 
Marcelo de Oliveira Milfont

Objetivou-se avaliar a biologia floral, os visitantes florais, os requerimentos de polinização e a eficiência polinizadora da abelha Apis mellifera L. em caramboleiras. A pesquisa foi conduzida entre os meses de dezembro de 2015 à março de 2016 em pomar, pertencente ao Instituto Agronômico de Pernambuco, município de Brejão, Agreste Pernambucano. Os resultados mostraram que a antese das flores aconteceu a partir das 07:00h, porém somente às 08:00h todas as flores se encontravam abertas. A flor da carambola apresentou longevidade de apenas um dia, tendo o seu estigma receptivo durante todo o período que a flor permaneceu aberta. Foram observados insetos de seis famílias, porém houve predomínio das espécies de abelhas Trigona sp. e Apis mellifera. Essas abelhas forragearam durante o dia, sendo Trigona sp. em busca principalmente de resina no pedúnculo floral e a A. mellifera exclusivamente por néctar. As abelhas A. mellifera gastaram em média 4,26 segundos para coletar néctar e a Trigona sp. gastava uma média de 24,64 segundos em cada flor para coletar o mesmo recurso. Em relação aos requerimentos de polinização, os estudos mostraram que houve vingamento inicial de frutos em todas as formas de polinizações empregadas (livre, restrita com papel, restrita com filó e com uma única de visita de A. mellifera). No entanto, uma visita pela A. mellifera, vingou significadamente (p<0,05) mais frutos que as demais polinizações empregadas. Apesar de vários táxons de insetos visitarem as flores da caramboleira, A. mellifera promoveu maior (p<0,05) vingamento de frutos que todos os tratamentos de polinização empregados, apresentando comportamento de eficiente polinizador dessa cultura, visando mitigar o déficit de polinização e maximizar a produção de frutos.