Potencial Taninífero da Jurema Preta e do Angico Vermelho Avaliado por Diferentes Métodos

Potencial Taninífero da Jurema Preta e do Angico Vermelho Avaliado por Diferentes Métodos

Discente: 
Rayanne Thalita de Almeida Souza
Orientador: 
Dulciene Karla de Andrade Silva

A caracterização química e a determinação de compostos secundários em leguminosas nativas são de grande importância por possibilitar um melhor uso dessas plantas como matéria prima para diversos seguimentos na indústria. A realização deste estudo teve como objetivo caracterizar químico-bromatologicamente as cascas e folhas com hastes de duas leguminosas nativas, quantificar e caracterizar as frações de taninos condensados. Foram coletadas as espécies: Jurema preta (Mimosa tenuiflora (Willd) Poiret) e Angico vermelho (Anadenanthera macrocarpa (Benth.) Brenan) em três municípios do Semiárido nordestino: Arcoverde/PE, Patos/PB e Delmiro Gouveia/AL. As análises químico-bromatológicas realizadas foram: matéria seca (MS), matéria mineral (MM), proteína bruta (PB), fibra em detergente neutro (FDN) e fibra em detergente ácido (FDA), nitrogênio insolúvel em detergente neutro (NIDN) e nitrogênio insolúvel em detergente ácido (NIDA) e lignina digerida em ácido (LDA) e de taninos condensados pelas metodologias do HCl-Butanol e a dos fenóis precipitáveis por proteína (PPP). Os dados químico-bromatológicos e frações de taninos condensados foram analisados através de estatística descritiva, e para a comparação dos métodos de quantificação dos taninos condensados totais foi utilizado o teste t, ao nível de 5% de significância. Foram obtidos valores de MS, PB e PIDA para as folhas com hastes de jurema preta e angico vermelho, respectivamente: 435,2; 428,83 g/kg MN, 159,3; 199,6 g/kg MS, 60,1; 66,64 g/kg PB. Já para taninos condensados totais através das metodologias do HCl-Butanol e Fenóis precipitáveis por proteína, respectivamente: 165,32 e 258,70 g/kg MS para folhas com hastes e 456,64 e 360,97 para as cascas. E para o Angico vermelho: 52,62 e 162,26 g/kg MS para as folhas com hastes e 168,04 e 376,03 para as cascas. Concluindo que, uma parte da proteína bruta das leguminosas estudadas está indisponível, pois se encontra ligada à FDA e taninos condensados. A Jurema preta foi a espécie que apresentou maiores teores de taninos condensados totais. E a metodologia PPP é considerada a mais eficiente na quantificação de taninos condensados.