Taninos condensados de fabaceas nativaas da Caatinga e seu potencial na atividade anti-helmíntica em caprinos

Taninos condensados de fabaceas nativaas da Caatinga e seu potencial na atividade anti-helmíntica em caprinos

Discente: 
Marco Hamilton Barros da Costa Filho
Orientador: 
Dulciene Karla de Andrade Silva

As infecções por nematódeos gastrintestinais correspondem a uma das principais causas limitantes na produção de pequenos ruminantes em todo o mundo. Na busca por novas alternativas de controle efetivo desses parasitos, a fitoterapia se apresenta como um setor promissor na tentativa de reduzir a utilização de tratamentos químicos. Tornando o estudo de plantas com potencial taninífero uma alternativa ao controle anti-helmíntico. Uma vez esses taninos identificados e isolados, torna-se cada vez mais concreto seu real potencial na atividade anti-helmíntica. Neste sentido, escolheu-se as espécies jurema preta (Mimosa tenuiflora (Willd) Poiret), angico vermelho (Anadenanthera macrocarpa (Benth.) Brenan) e catingueira (Poincianella pyramidalis Tul.) para caracterização químico-bromatológica e quantificação dos teores de taninos condensados nas diferentes frações da planta. Estas fabaceas foram coletadas em área de Caatinga preservada do município de Sertânia na região Semiárida de Pernambuco. Foram coletadas amostras de folhas com haste e casca de cada espécie, e para quantificação dos taninos condensados das fabaceas em estudo foi utilizado o método do butanol-HCl. Os valores obtidos foram analisados através de estatística descritiva. Nesse sentido, aliando a obtenção do extrato purificado de tanino condensado, realizou-se ensaios anti-helmínticos por meio de testes de desenvolvimento larval (TDL) in vitro de material fecal coletado de caprinos da raça Saanen, naturalmente infectados, sob administração das concentrações nos tratamentos (37,5; 75; 150; 300 e 350 mg/mL) em quatro repetições para cada tratamento de extrato purificado de taninos condensados, acrescidos de tratamento controle, positivo e negativo, com cloridrato de levamisol na concentração de 7,5 mg/mL e água destilada, respectivamente. A Mimosa tenuiflora (Willd) Poiret. se destacou entre as fabaceas nativas com a maior concentração de taninos totais, para todas as frações da planta. Na atividade anti-helmíntica, apresentou efeito significativo, tornando-se uma excelente alternativa no controle de nematódeos gastrintestinais em pequenos ruminantes.